Por que os norte americanos usam apenas um sobrenome?

Você já deve ter visto em filmes norte americanos que as pessoas assinam apenas John Smith, simples assim e bem prático se compararmos com algumas pessoas que possuem cinco termos em seu nome próprio no Brasil. Não precisa de nome de pai e de mãe e fica um único nome para os filhos e netos. Esse costume é bem diferente do brasileiro, por isso deixa dúvidas de como funciona e como deve ser administrado no Brasil. Podemos fazer a mesma coisa?

Sim, poderíamos usar um único sobrenome se quiséssemos. O comum nos brasileiros é usar de dois em diante, mas é apenas um costume. Para manter as origens do pai e da mãe em seu filho, as pessoas tendem a usar aqui o sobrenome do pai e da mãe juntos, e por isso o sobrenome das pessoas acaba ficando enorme. A junção é para dar traços das duas famílias e acaba deixando os filhos e netos com nomes grandes. Exemplo: a mãe é Maria de Souza Silva e o Pai João Ferreira Gullar. O nome do filho deveria ser Gullar, mas fica Fábio Souza Silva Ferreira Gullar.

assinar nome

Por que os norte americanos usam um único nome?

Não existe uma lei que diga que se deve colocar todos os nomes em um filho, é apenas um costume cultural. Segundo as tradições dos norte americanos, que provém dos europeus, o nome do patriarca é o que domina. Quando uma mulher se junta a um homem em um casamento, abre mão de sua família e começa uma nova, levando o nome do esposo. Ela abre mão de sua vida antiga e se junta a uma nova realidade, por isso seu nome de solteiro é retirado e ela se torna uma esposa de seu marido.

O costume do homem ser o provedor da família se reflete no uso do sobrenome. É o homem que deve, culturamente e mesmo antiquado, prover a família e por isso a mulher deve abrir mão do seu nome para uma nova vida. Apesar de ser uma ato de milênios é usado não por lei nos Estados Unidos e diversos países da Europa, mas pelo peso das tradições do casamento.



Este site lhe foi útil? Clique no G+1. É muito importante pra nós. Obrigado!
Compartilhe com seus amigos...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

34 Comentários

  1. mille says:

    que eu saiba a tradição do brasil pega o ultimo sobrenome do pai e da mae.

    • Joselma says:

      Quando meus pais foram me registrar, queriam colocar só os últimos nomes dos dois, mas disseram no cartório q não podia fazer dessa forma. Então fiquei com os dois sobrenomes da minha mãe e o último nome do meu pai; Pereira Martins Batista.
      Eu não sei o pq. O mais comum é ter os últimos nomes de cada. Acho desnecessário ter 3 sobrenomes. Gostaria até de retirar. E quando eu casar? Vou ficar com 4? Não quero.

  2. Valeria says:

    Isso de americanas adotarem o sobrenome do marido eh informação errada, na verdade, pior eh na cultura brasileira, onde as mulheres e os homens tb, são OBRIGADOS a terem uma nova certidão qdo casam, a certidão de casamento, o cartório retém a certidão de nascimento dos dois. Eu sei, pq casei no Brasil com um americano.
    Aqui nós EUA (moro aqui), tive um filho e coloquei SIM o meu sobrenome no meu filho. Meu filho tem os dois sobrenomes, meu e do pai, nessa ordem. Pôde-se colocar somente o do pai? Pode, pode só o da mãe? Tbm pode! Então vamos parar de passar informação errada aí, povo!

  3. paula says:

    boa tarde.
    sou portuguesa e vivo em portugal. Quando me casei não adotei o nome do meu (ex) marido por opção. Apesar de a maioria das pessoas aqui o fazerem. Acho que não faz sentido eu ficar com o nome dele e ele não ficar com nenhum nome de familia meu. eu casei com ele, ele não era meu “dono”. acho uma estupidez ser a mulher a ficar com o sobrenome do marido e não o contrário e talvez porque não ambos??!! … olha só assim quando houve o divocio não tive de andar nos sitios publiblicos : bancos, finanças , etc. para mudar o nome… eheheheh

  4. Cristina Souza Coutinho says:

    Gosto de ter o sobrenome dos dois, porque me diferencia dos demais, já que meu nome é comum… Além do mais, assim me sinto mais próxima das duas partes, mas Cultura é Cultura e não se discute, se as americanas querem usar apenas um que usem, mas se fosse meu caso eu não gostaria

  5. Will says:

    Ter um único sobrenome , mais que isso ser uma tradição , o que parece prevalecer , é isso ser uma tradição burra . E fria . Tudo bem optarem por ela , são livres , mas . . . poxa , o barato é a composição de dois sobrenomes ou mais , a identidade que isto lhe confere , e a composição deles se sobrepondo com seus primos de ambos os lados , meio -irmãos de ambos os lados , tios de ambos os lados . O que mais … a mãe carregar um ser que não vai levar adiante um de seus sobrenomes , um ser com quem vai conviver afetivamente seus primeiros … digamos 20 anos … isto é concebivel ? Afinal a gente tem mais afinidade com a mãe né mesmo ?

    Quanto mais nomes e sobrenomes , mais identidade ( diria q até cinco seria razoável ) , Tendo um único sobrenome pode gerar muita gente homônima , por mais q variar a composição do que chamam de primeiro nome , nome do meio e último nome isto há de acontecer .

    Tendo um sobrenome , há casos que os filhos vão adotar o sobrenome do padrasto … e entre estes casos , há mães que vão se separar deste homem , e seus filhos vão continuar com este sobrenome do padrasto ( ! ! ! ) . . . isto tem cabimento ? ?

    Tendo um sobrenome , enquanto houver homens nas geraçôes seguintes , seu primo de “ônzimo , dôzimo , trêzimo, quínzimo ” grau terá o seu mesmo sobrenome . . . mas se houver uma mulher no caminho , seu primo de PRIMEIRO grau não terá este seu sobrenome ( ! ! ) . . .

    O que mais … meio-irmãos com o mesmo único sobrenome , acontecendo somente se o pai for o mesmo . . . já se a mãe dos meio-irmãos for a mesma … sim , a mesma mulher , , gestação e luz … dois ou mais filhos de sobrenome diferentes ( ! ! )

    O q mais … em filmes , séries , podem notar que para fazer questão de que primos tenham mesmo sobrenome , ou qu o tio(a) de um(a) personagem tenha o mesmo sobrenome deste(a) , isto vai ser possível , se … se o que ? … se os pais desses primos SOMENTE forem dois homens , se o tio(a) do(a) personagem for irmão (ã) SOMENTE do seu pai ( ! ! ) . Claro que existem exceções , mas o contrário é bem mais comum .

    Enfim , sobrenome a se levar adiante , tem que ser de ambos os lados .

    Devo ter esquecido de alguma coisa , mas pensem em tudo isso . . .

  6. João says:

    Antigamente no Brasil, a mulher ao casar-se tirava seu sobrenome e adotava simplesmente o do marido. Nos filhos o casal só colocava o sobrenome dos pais, é o caso dos meus pais. De alguns anos para cá é que os costumes mudaram e a mulher passou a manter seu sobrenome e acrescentar o sobrenome do marido: e os filhos a ter o sobrenome da mãe e do pai. O que eu acho justo, democrático. O meu filho, por exemplo, tem o meu sobrenome e o sobrenome da mãe por último. Manter somente o sobrenome masculino acho de um machismo imbecil. E nomes curtos podem ser práticos, mas causam uma confusão danada. Trabalhei de mesário em eleições por muitos anos e o que tinha de homônimos era uma coisa espantosa. João da Silva tinha vinte. Precisa ficar consultando o nome da mãe. Sendo que bastava ter um nome a mais que o problema já não existiria. E existe inúmeros casos de pessoas serem condenadas em lugar de outra, porque tem o mesmo nome e sobrenome.

    • Daniel says:

      Mais um que precisa estudar, aprender a ler e respeitar as diferenças dos outros! Ou não é IMBECILIDADE continuar APOIANDO coisas ERRADAS e JULGANDO coisas tão BANAIS!
      Tradição é TRADIÇÃO, cultura que o BRASILEIRO não tem, por isso são todos (FORÇA DE EXPRESSÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!) maus educados.

      • Marcos Lara says:

        Daniel,
        Você parece ser o único lúcido aqui.
        O resto está carregado de preconceitos, achismos e hipocrisia.
        O nível do brasileiro mostra a realidade do nosso país.
        Abraços

      • Dolce says:

        Amigo, não perca tempo com isso. Vá estudar para escrever melhor e de forma coerente.

    • Joao Luiz says:

      No Brasil isso dos mais antigos terem somente um sobrenome tem relação com a origem dos países. Por exemplo, na Itália só se coloca um, então as pessoas mais velhas de famílias italianas (ou alemães, japoneses, árabes entre outras) tendem a ter um só. Eu sou descendente de espanhóis e italianos e todos os mais velhos da minha família de descendência espanhola tinham 2 sobrenomes (ordem contaria ao Brasil, primeiro do pai, depois da mãe), já a parte da minha família que é descendente de Italianos tem apenas o sobrenome do pai (isso os mais velhos, os mais novos tem os dois). Eu tenho só 1 porque tenho o Filho, ou seja o nome igual do meu pai.

  7. Lindalva Cordeiro says:

    Essa história de prevalecer o sobrenome do homem, no caso o pai, que nem sempre é pai, pois muitos pensam que são pais biológicos e vivem enganados a vida toda. Demonstra o patriarcado e a opressão contra a mulher ainda tão arraigada, se a criança possui igualmente a genética de ambos, por que prevalecer o sobrenome da família do bonito, por acaso ele é melhor que a mãe. Nós temos certeza que o filho é nosso, saiu de dentro de nós, eles nem sempre. Por isso acho que teria que mudar em todo mundo essa história de prevalecer o sobrenome dos pais. Abaixo a inferiorização do poder materno.

  8. WebeR says:

    Seguir com o sobrenome SOMENTE do pai é um costume dos europeus e americanos, o mesmo não ocorre frequente no Brasil..
    Cheio de mulheres ignorantes aqui que parece que não leram o texto até seu final.. ²

    Mais retardados são essas pessoas que não sabem ler e ver que isso é uma cultura, uma tradição. Bem como é uma tradição sentar na mesa para almoçar no Brasil, nesse caso então, posso dizer que todo brasileiro é retardado por se submeter a ter como refeição mais importante o almoço e comer separado do marido, esposa ou até filhos, quando na verdade é no jantar que toda família está reunida.

  9. Douglas Melo Oliveira says:

    Acredito que ao menos as duas famílias mais próximas devem ser mantidas no sobrenome da criança. Por isso eu gosto do sistema antigo onde se colocava primeiro o sobrenome do avô materno e em seguida do avô paterno. Nesse sistema é fácil rastrear a árvore genealógica porque a geração anterior conserva o sobrenome da família que ficou de fora, no caso das avós, e não vejo como machismo é só uma questão de organização

  10. Luciano says:

    Concordo com o Stefano. Tem muita gente aí com problemas para interpretrar textos.

  11. Stefano says:

    Seguir com o sobrenome SOMENTE do pai é um costume dos europeus e americanos, o mesmo não ocorre frequente no Brasil..
    Cheio de mulheres ignorantes aqui que parece que não leram o texto até seu final..

    • Daniel says:

      Concordo com você! É fácil apontar o dedo e dizer: MACHISTA! E não querer aparentar FEMINISMO! Deixa os casados e pais dos próprios filhos decidirem! Ou vocês dormem juntos com eles e fazem filhos com eles!? Direitos iguais, DEVERES IGUAIS! Todos tem o DIREITO de OPINAR & o DEVER de RESPEITAR!

  12. Lindalva Cordeiro Lopes says:

    O filho deve ter o sobrenome das duas famílias, acho super machista a mulher ter que abdicar de sua herança familiar para assumir de um homem, que não é o seu sangue, toda mulher deveria exigir o sobrenome da família dela nos filhos. Eu não tenho o sobrenome da minha mãe, pois ela alega que na época ninguém colocava, era raro, então ela não fez questão. Mas meus três filhos têm o meu sobrenome. Acho que um neto quando não tem o sobrenome do avô, nem parece que é parente, fica estranho.

  13. Rodrigo Eidelwein says:

    Meu Deus como falta informação ao nosso povo, do BIG BROTHER sabem tudo, noticias nada ,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, ( novo código civil válido desde de 2002 ), aqui em casa ninguém adotou o sobrenome do outro por opção.

  14. Fernanda says:

    Também acho bem machista,não abro mão das minhas raízes em função de outro sobrenome,achei que fosse obrigatório.

  15. Mariana says:

    Bom, tem casos onde isso se mostra o contrario, onde o homem se abdica do sobrenome e usa o sobrenome da mulher, um caso famoso é da Beyoncé, onde seu marido, Shawn Corey popularmente conhecido como Jay -z , utiliza o sobrenome da mulher!

  16. Patrícia says:

    Costume bem machista, considero como IMBECIS as mulheres que, em pleno século XXI se submetem a isso. Me casei a alguns meses e não mudei meu sobrenome, pq tenho NOME PRÓPRIO e NÃO PRECISO DO NOME DO MEU MARIDO. As americanas são ainda piores, são COMPLETAMENTE RETARDADAS!!! Mas, o q se poderia esperar de lá?…

    • Daniel says:

      Uma vida melhor que aqui, uma cultura que não foi corrompida. Isso que você disse é feminismo, e anda de mãos dadas com o machismo. Logo cada um faz o que quer. Só não queira ser exemplo, por para ser exemplo tem que ter postura, educação e respeito, e não sair agredindo alguém porque você discorda do pensamentos delas. Ou carrega você a balança na mão pra dizer quem é certo ou errado, pensante ou retardado?

  17. Tomazelli says:

    A mulher usa primeiro o sobrenome do pai seguido do sobrenome da mãe:
    Diana Silva de Souza
    Silva o sobrenome do pai e Souza o sobrenome da mãe
    E os homens primeiro o sobrenome da mãe seguido do sobrenome do Pai
    Eric de Souza Silva
    Por sua vez, o filho de Diana Casada com Eric terá o nome
    Mateus de Souza Silva
    e…
    Mariana Silva de Souza

    • Joao Luiz says:

      Nunca vi isso, apesar de ser permitido. Nos países de língua espanhola, as pessoas tem 2 sobrenomes em ordem invertida ao Brasil, ou seja primeiro o paterno depois o materno e, na maioria dos países, só se utiliza o sobrenome paterno.

    • Isabela says:

      Também nunca vi isso. Meu pai tem dois irmãos e três irmãs, e todos têm os sobrenomes na mesma ordem: Duarte Farias. Duarte da mãe e Farias do pai.

  18. Maria says:

    Bem machista, diz que a criança nascida de Maria de Souza Silva e o Pai João Ferreira Gullar, deveria ter apenas o sobrenome Gullar, por que não apenas Silva? No Brasil, diante da igualdade instituida pela constituição de 1988 não há diferenciação entre homens e mulheres (pelo menos no papel), então o tal filho não DEVERIA se chamar Fabio Gullar, mesmo adotando-se o método americano não seria necessário adotar também o costume de usar apenas o nome do pai. A Colocação certa seria: O filho PODERIA se chamar Fabio Gullar ou Fabio Silva.

    • Claudio says:

      Tem que ser o nome do homem mesmo, claro. Não tinha Lógica ser da mulher.

      • Aninimo says:

        Ela que teve a dor do parto, Ela que pariu, Ela que carregou o filho por 9 meses na barriga, sentindo enjoou, engordando, e o nome tem q ser do pai? Por isso que o Brasileiro não evolui, com mentes tão idiotas como a sua.

    • Lucas says:

      Faça o seguinte Maria, pegue o primeiro bebado que você encontrar na próxima festa, fique com ele, brinque de mamai e papai sem camisinha, fique gravida dele e não o chame mais e esquece tudo dele, até o nome. Assim você terá um filho todo seu, que poderá criar sozinha, bancará os estudos dele sozinha, cuidará da sua alimentação e saúde com seus proprios recursos financeiros e enfim terá a imensa satisfação em dar para ele apenas o seu lindo sobrenome.

Deixe um comentário